Quarta, 22 de Setembro de 2021 07:41
75 9 9842 0146
Geral Caso Lázaro

Caso Lázaro: Polícia Civil impõe sigilo de 5 anos sobre operação que capturou criminoso

custos envolvidos e o efetivo deslocado para atuar nas buscas ao criminoso permanecerão em caráter reservado neste período

25/07/2021 13h21
56
Por:
Caso Lázaro: Polícia Civil impõe sigilo de 5 anos sobre operação que capturou criminoso

A Polícia Civil de Goiás impôs um sigilo de cinco anos às informações da operação que culminou na morte de Lázaro Barbosa. Assim, os custos envolvidos e o efetivo deslocado para atuar nas buscas ao criminoso permanecerão em caráter “reservado” neste período. A restrição foi revelada em resposta a um pedido via Lei de Acesso à Informação (LAI) realizado pelo jornal Correio Braziliense.

Lázaro foi morto pela polícia no final de junho, após 20 dias de buscas. As forças de segurança dizem que o criminoso entrou em confronto com agentes durante tentava de captura. Policiais chegaram a dizer que ele foi alvejado mais de 100 vezes.

Atualmente, a polícia de Goiás investiga a ligação entre Barbosa e uma organização criminosa composta por fazendeiros e políticos

A publicação verificou a disponibilidade das informações junto às secretarias de Segurança Pública do Distrito Federal e de Goiás. As instituições justificaram que a divulgação de detalhes sobre a operação colocaria em risco a instituição.

No pedido, foram questionados dados referentes ao valor investido na operação, o tamanho da área monitorada pelas autoridades nas buscas e os gastos com combustível por viaturas e helicópteros e informações. Também foram solicitadas informações sobre o efetivo de agentes deslocado para atuar no DF e arredores.

“As informações não se restringem somente ao caso encerrado, mas fazem parte de toda a estrutura pertencente à Polícia Civil, usada em outras circunstâncias, e, também, a projetos que ainda nem foram implementados. A divulgação desses dados vulnerabiliza a instituição em sua função investigativa, pondo em risco a segurança e o sucesso de outras apurações”, argumentou o delegado-geral adjunto Deusny Silva Filho.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.