Quinta, 18 de Julho de 2024 03:04
75 9 9702 9169
Anúncio
Política Política

Lira põe em votação PEC que perdoa partidos e desrespeita cotas, gera revolta e recua

Para o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ), a Constituição não pode ser mudada por uma comissão especial de forma atropelada.

04/07/2024 08h56
Por: Karoliny Dias Fonte: Bahia.Ba
Foto: Lula Marques/Agência Brasil
Foto: Lula Marques/Agência Brasil

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), tentou colocar em votação na noite desta quarta-feira (3) a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que perdoa partidos políticos que desrespeitaram cotas de negros e de mulheres na eleição de 2022. A decisão repentina de Lira gerou revolta em parlamentares e o presidente decidiu retirar o projeto de votação.

“A gente tira da pauta hoje e, quando os partidos políticos que estão interessados nesse texto concordarem com esse texto, a gente volta a pautar”, disse Lira

A PEC foi retirada de pauta depois de solicitação do líder do PT, deputado Odair Cunha (PT-MG). “Há uma diferença importante entre o texto apresentado anteriormente e o texto que está sendo debatido pelo relator, deputado Antonio Carlos Rodrigues (PL-SP)”, disse.

Para o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ), a Constituição não pode ser mudada por uma comissão especial de forma atropelada. “Não é só maior anistia da história dos partidos políticos. É o maior atropelo. Jamais vi isso e acompanho a vida política brasileira desde a adolescência, nunca vi um atropelo dessa forma”, afirmou.

A proposta não chegou a ser votada na comissão especial, mas devido ao término do prazo de 40 sessões para a votação, o presidente da Câmara avocou a matéria para o Plenário, conforme permite o Regimento Interno.

Texto põe fim a sanções como perda de mandato e inelegibilidade

Segundo o texto apresentado pelo relator na comissão especial, deputado Antonio Carlos Rodrigues (PL-SP), não serão aplicadas sanções de qualquer natureza, inclusive de devolução e recolhimento de valores do Fundo Partidário e do Fundo Especial de Financiamento de Campanha se o partido não destinou o mínimo devido em razão de raça do candidato ou para a cota de candidaturas femininas.

Por lei, 30% do dinheiro desses fundos deve ir para candidatas mulheres. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu, para as eleições de 2022 em diante, que candidatos e candidatas negras também deveriam ter reserva de recursos.

Do total para as mulheres, o dinheiro deveria ser distribuído proporcionalmente entre as candidatas negras ou não negras. O mesmo deveria ocorrer com o montante destinado aos candidatos homens negros e não negros.

De acordo com o texto do relator na comissão, também não poderão ser aplicadas sanções que resultem na perda de mandato ou que acarretem inelegibilidade pelo não preenchimento da cota mínima de candidaturas do sexo feminino nas eleições de 2022, quando a decisão judicial implicar redução do número de candidatas eleitas.

A versão mais recente do texto estabelece ainda nova regra para reserva de recursos desses fundos, determinando o uso de um mínimo de 20% nas candidaturas de pessoas pretas e pardas, independentemente do sexo. Acaba, assim, a proporcionalidade em relação aos candidatos apresentados à Justiça Eleitoral.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.