Domingo, 03 de Julho de 2022 17:45
75 9 9842 0146
Bahia São João

Ornamentação do São João de Santo Antônio de Jesus vai contar com 125 mil metros de bandeirolas nas ruas

Tudo ficando pronto para realizar uma das maiores festas juninas do Nordeste

20/06/2022 17h26
Por: Reginaldo Junior Fonte: Redação
Ornamentação do São João de Santo Antônio de Jesus vai contar com 125 mil metros de bandeirolas nas ruas

 

Santo Antônio de Jesus – SAJ para os chegados e mais íntimos – como uma caipira faceira, já vem se enfeitando toda para o São João 2022, com 125 mil metros de bandeirolas colorindo o céu, o forrozinho nos bairros, festival de quadrilhas, além da Vila Junina na Praça Padre Matheus, com artesanato e comidas típicas –  tudo ficando pronto para realizar uma das maiores festas juninas do Nordeste, após dois anos de interrupção por causa da Covid-19. 

“Durante todo o mês de junho estamos desenvolvendo atividades culturais com foco no fomento à tradição junina, além de preparar a grande festa do São João, que conta com uma das maiores estruturas da Bahia. Os trabalhos de montagem da festa contam com empresas especializadas e utilizam muita mão-de-obra local. O São João é a principal manifestação cultural do povo nordestino. Como a cidade tem Santo Antônio como seu padroeiro joanino, a decoração segue a nossa tradição quase sesquicentenária“, explica Genival Deolindo, prefeito de Santo Antônio de Jesus.

“O São João em SAJ sempre foi muito animado, precedido pela trezena de Santo Antônio. Era uma prévia, durante 13 dias, de muito foguetório às 18h, no meio e ao final da reza, além de muitos balões no céu. Em cada noite era homenageada uma categoria: dos artistas, dos motoristas – com mais fogos – dos bancários etc. A festa antonina-joanina se concentrava na Praça Padre Mateus, onde era o Barracão da Feira e a original igreja jesuítica da cidade, derrubada nos anos 1950”, conta o escritor e jornalista Fernando Vita, um dos filhos ilustres de Santo Antônio. 

Vita rememora que não existiam os arraiais juninos em praça pública. “Os bailes eram na roça. No Barracão da Feira, duelavam a Sociedade Filarmônica Carlos Gomes e a Sociedade Filarmônica Amantes da Lira, e a festa junina mais animada era na Sete de Setembro, com fogueiras e bandeirolas nas ruas, animada pela família Andrade, com D. Georgina e Seu Zeca, dono da funerária A Adornativa (hoje, Funerária Andrade). Shows de música junina – com Luiz Gonzaga, Zé Gonzaga, Trio Nordestino, Duo Siriema e Adelaide Chiozzo – eram fora do período de São João, na marquise da Loja Paraíso”, relembra o escritor santontoniense.

 

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.