Quarta, 18 de Maio de 2022 03:19
75 9 9842 0146
Feira de Santana Seminário

Seminário discutirá permanência da feira da Marechal Deodoro

Evento acontecerá na Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL), no próximo sábado (7). Vereador Jhonatas Monteiro fala sobre o assunto.

06/05/2022 12h09
Por: Karoliny Dias Fonte: Boca de Forno News
Foto: ASCOM / Câmara Municipal
Foto: ASCOM / Câmara Municipal

Um seminário sobre o potencial econômico da Feira Livre da rua Marechal Deodoro, centro de Feira de Santana, acontece neste sábado (7), na Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL). O evento, que se inicia às 14h, foi anunciado na Câmara, nesta quinta, pelo vereador Professor Jhonatas Monteiro (PSOL).

Apoiador do movimento pela permanência da tradicional feira livre de frutas, legumes e verduras no centro da cidade, Jhonatas considera o seminário de grande importância para a luta dos que defendem a mesma causa, uma vez que reunirá representantes dos vendedores, lojistas da Marechal, empresários, Incubadora da Iniciativa de Economia Solidária da UEFS, Núcleo de Prática Jurídica da UEFS, arquitetos, urbanistas e historiadores. Jhonatas ressalta que todas as Secretarias Municipais que tem relação com essa problemática também foram convidadas.

Participarão ainda do seminário fazendo suas exposições a historiadora e professora da UEFS, Larissa Penelu, o economista com doutorado nessa área, Francisco Queiroz, e o urbanista e mestre em Planejamento Territorial, Gabriel Galvão.

Segundo o vereador, o seminário é promovido pelo movimento “A Feira da Marechal é Patrimônio” que organiza feirantes da feira da Marechal. Ele conta ainda com o apoio da Comissão de Reparação, Direitos Humanos, Defesa do Consumidor e Proteção a Mulher, da qual ele é presidente. O objetivo é discutir o potencial econômico da permanência organizada da feira livre na Marechal Deodoro e dialogar sobre as implicações tanto para o comércio como para a geração de emprego e renda em Feira de Santana como um todo.

“O seminário quer demonstrar para diferentes segmentos como é importante manter, de modo organizado, essa feira. Ela é importante para o feirante, porque é uma alternativa de renda, mas a sua importância econômica não se resume a ele. Ela dinamiza aquela área do comércio do município. Muitos lojistas sinalizam para a permanência da feira e a apoiam, inclusive assinando uma carta manifestando esse interesse porque tem esse entendimento, de que a sua presença ajuda a dinamizar o centro comercial”.

Jhonatas ressalta ainda que é benéfico para o poder público também a permanência da feira porque significa mais arrecadação com a geração de emprego e renda. Esses são efeitos positivos de modo indireto. “Precisamos pensar a questão da feira da Marechal sem desconsiderar a parte histórica e abrir mão de dialogar sobre alternativas de organização, principalmente com foco econômico”, diz.

O vereador lembra ainda que no ano passado foi enviado para a Prefeitura Municipal um projeto alternativo que permite a manutenção organizada da feira elaborado por um arquiteto urbanista sob a orientação de um engenheiro com especialização em urbanismo que leva o nome de “A Requalificação da Rua Marechal Deodoro”.

“Esse projeto já previa a possibilidade da continuidade da feira. Nas conversações no ano de 2021, o Governo Municipal apontou a inviabilidade do projeto, mas não apresentou justificativas técnicas para isso. De lá para cá houve uma espécie de trégua. Se estabeleceu um nível de conversa e governo ficou de buscar alternativas, buscar possibilidades e não deu respostas ainda”.

O movimento solicitou audiência com o prefeito Colbert Martins para obter respostas em relação a essas alternativas e até a presente data ainda não recebeu respostas. “Para todos os efeitos a ideia está em aberto. A ideia do seminário é conseguir apoio e convencer outros segmentos sociais da cidade, inclusive lojistas e parte dos empresários, que é benéfico manter a feira da Marechal de forma organizada”.

Jhonatas ressaltou que os feirantes sempre cobraram que o governo organizasse a feira ao longo dos anos e isso não ocorreu. “Agora é fácil dizer que a feira é um problema quando na verdade houve omissão do Poder Público na organização desse espaço ao longo do tempo. É uma escolha política da gestão em fazer dessa forma porque existem modelos de outros municípios que contam com feiras em áreas centrais como Caruaru e Campina Grande, estimulando o potencial turístico dessas áreas”, finalizou.

Com informações da ASCOM / Câmara Municipal de Feira de Santana

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.