Sexta, 30 de Julho de 2021 10:38
75 9 9842 0146
Bahia Bahia

Robinson participa de ato contra privatização da Eletrobras

"Vai aumentar a conta e ter risco de apagão", diz deputado

15/06/2021 15h19
21
Por: Reginaldo Junior Fonte: SECOM
Robinson participa de ato contra privatização da Eletrobras

Engenheiro eletricista, o deputado estadual Robinson Almeida (PT/BA) participou, na manhã desta terça-feira (15), de um ato na porta da sede da Companhia Hidrelétrica do São Francisco (CHESF), em Salvador, contra a privatização da Eletrobras. O protesto foi organizado pelo Sindicato dos Eletricitários da Bahia. O parlamentar alertou que, além de ser "um crime de lesa-pátria" e comprometer a soberania energética brasileira, se a MP 1031, defendida pelo governo Bolsonaro, for aprovada, haverá aumento da conta de energia, risco de apagão e a indústria nacional também será prejudicada. Além disso, ele alertou para o risco de insegurança energética e desabastecimento durante a crise econômica e sanitária. A Medida Provisória que prevê a entrega do sistema Eletrobrás ao capital internacional está prevista para ser votada pelo Senado Federal nesta quarta-feira (16). Em todo Brasil o dia hoje foi de protestos para alertar a sociedade dos riscos que a privatização oferece a sociedade. Trabalhadores do Sistema Eletrobras decidiram entrar em greve por 72 horas contra a MP.

"A privatização da Eletrobras é um crime contra o Brasil. Além disso, a MP usada para esse crime é inconstitucional", alertou Robinson. "Está em curso um processo de  desindustrialização no Brasil pra atender interesses internacionais com esse governo ultraneoliberal comandado por Bolsonaro, que é um fantoche do capital internacional. Vamos nos mobilizar para impedir esse desmonte, esse crime absurdo contra nosso país que é a privatização do sistema elétrico brasileiro, da Eletrobras e da CHESF", enfatizou o parlamentar.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.